Armando Silva Carvalho

Voir le sujet précédent Voir le sujet suivant Aller en bas

Armando Silva Carvalho

Message par Mona le Jeu 1 Juin - 22:47

Morreu o poeta Armando Silva Carvalho
Poeta vencera recentemente importantes prémios literários nacionais com o último livro, "A Sombra do Mar".

Diário de Notícias | 1 de junho de 2017


O poeta e tradutor Armando Silva Carvalho morreu hoje de manhã, nas instalações da Santa Casa da Misericórdia das Caldas da Rainha, vítima de doença prolongada, anunciou, em comunicado, a Porto Editora.

Armando Silva Carvalho nasceu em 1938, em Olho Marinho, Óbidos, e era um dos mais importantes poetas portugueses da atualidade, tendo ainda recentemente vencido os mais importantes prémios literários nacionais, com o seu último livro "A Sombra do Mar", publicado pela Assírio & Alvim, acrescenta o grupo editorial.

Com esta obra, venceu em fevereiro o prémio literário Casino da Póvoa, do Correntes de Escrita, bem como o Prémio PEN de Poesia e o Grande Prémio de Poesia António Feijó, da Associação Portuguesa de Escritores, em 2016.

De acordo com a ata do júri do Prémio Literário Casino da Póvoa, "A Sombra do Mar" foi a obra escolhida "pela força imagética da sua escrita e pela tensão conseguida entre ironia e melancolia".

O júri referiu que a escolha daquele livro "resultou da demorada análise e discussão deste e de outros livros finalistas", tendo sido esta opção deliberada "por maioria".

Numa declaração de voto foi dito ainda que "A Sombra do Mar" é uma obra que "traz um conjunto de poemas formando um corpo orgânico de grande unidade estilística e temática, no qual as alusões ao mar e à água constituem um 'leitmotiv' que percorre todo o livro em sucessivas variações: água 'criteriosa e diária', água 'arrepiada' e 'águas sobreviventes'".

Relativamente ao Grande Prémio de Poesia António Feijó, a Associação Portuguesa de Escritores (APE) afirmou, na altura, que o júri em ata referiu que o livro de Armando Silva Carvalho "destaca-se pelo rigoroso domínio da arquitetura poética, considerada quer ao nível da composição de cada poema, quer na organicidade da sequência de poemas" que o constitui.

"Num diálogo constante com vozes tutelares da poesia em língua portuguesa, muito em particular [Fernando] Pessoa, a poesia de Armando Silva Carvalho caracteriza-se pela permanente ironia, a vigiar um lúcido e comovido olhar sobre o tempo, pessoal mas que também reconhecemos como nosso".

Armando Silva Carvalho estreou-se na poesia em 1965, com "Lírica consumível", que lhe valeu o Prémio Revelação da APE.

O escritor foi ainda distinguido com o Prémio Pen Clube por "Canis Dei", em 1995, com o Prémio Luís Miguel Nava, em 2000, por "Lisboas" e com Grande Prémio de Poesia APE/CTT 2008, pelo livro "O Amante Japonês".

O escritor foi também advogado, jornalista, professor do ensino secundário e publicitário, mas, numa entrevista concedida ao jornal Público em 2007, afirmou que não era um autor culto e que "a grande tragédia" da sua vida foi ser publicitário.

Desde a década de 1960, Armando Silva Carvalho colaborou em vários jornais e revistas (Diário de Lisboa, Jornal de Letras, O Diário, Poemas Livres ou Colóquio-Letras, entre outras).

Os seus poemas foram incluídos nas "IV Líricas Portuguesas", em 1969, antologia poética organizada por António Ramos Rosa e desde então tem sido representado na generalidade das antologias de poesia portuguesa.

Como tradutor, destaca-se a tradução de autores como Samuel Beckett, Marguerite Duras, Andrei Andreevich Voznesensky, Jean Genet, E. E. Cummings ou Stéphane Mallarmé.

A sua obra está traduzida para castelhano, russo, francês, inglês, sueco, letão, alemão, italiano e holandês.


http://www.e-cultura.sapo.pt/artigo/22123
avatar
Mona

Nombre de messages : 553
Date d'inscription : 09/10/2010

Revenir en haut Aller en bas

Voir le sujet précédent Voir le sujet suivant Revenir en haut

- Sujets similaires

 
Permission de ce forum:
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum